domingo, 18 de dezembro de 2011

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA ARTE - RETIRADAS DO LIVRO: Vivencias na Escola de Dora Incontri (2005).

Educação Estética
    Educar esteticamente é ao mesmo tempo desenvolver o senso estético, a capacidade de criar e inserir o individuo nas culturas de todos os povos e de todos os tempos. Para isso, permitir o acesso a obras musicais, plásticas, poéticas, teatrais, de qualidade estética e de conteúdos preferencialmente edificante – é o que é mais necessário.
A Arte, sempre a Arte...
Assim como o amor deve permear cada gesto, no processo da Educação, a arte também deve predispor o espírito à reflexão, harmonizar as emoções, para que a aprendizagem frutifique.
Canções cantadas pelas próprias crianças; uma música suave de fundo em qualquer atividade, que exija silêncio e concentração; filmes artísticos para impregnar os olhos de beleza e a alma de paz; desenhos produzidos a partir de uma história, de um debate ou de um tema; poesias para induzir a uma discussão ou para soltar a imaginação... – esses são recursos indispensáveis numa Educação que procure atingir o indivíduo como um todo.
Iluminando o coração com a chama da arte – além da afetividade – o raciocínio se embebe na emoção e a criança se desenvolve globalmente, sem os perigos da unilateralidade.
Dicas para a Educação Artística
Material sugerido, que deve ficar ao alcance da criança, numa sala destinada às artes e aos trabalhos manuais:
Papéis de diferentes cores, texturas e tamanhos; palhetas tradicionais e pedaços de madeira de vários tamanhos; lápis de cor, canetas hidrográficas, tinta a dedo, guache, tinta acrilex, pastel oleoso, giz de cera, aquarela; pincéis, cotonetes, espátulas, brochas; colas; tesouras; revistas velhas; telas de talagarça. [materiais recicláveis].
Atitudes aconselhadas
·         Incentivar a mistura de cores e a busca de diferentes tonalidades;
·         Respeitar o trabalho da criança, jamais pegando em sua mão ou dizendo categoricamente como deve desenhar ou pintar;
·         Dar estímulos visuais (quadros, livros, vídeos), auditivos e narrativos (músicas, histórias, poesias), antes de começar um trabalho;
·         Procurar estabelecer um clima de tranquilidade e sossego;
·         Respeitar o ritmo de cada criança, deixando que as que terminarem mais depressa façam outros trabalhos do mesmo gênero ou diferentes e permitindo às outras seguirem seu ritmo mais lento e mais detalhista;
·         Aplicar e ensinar variadas técnicas de pintura, desenho, estamparia, argila, modelagem, colagem, serragem com palitos de fósforos...
·         O professor deve também fazer seus próprios trabalhos (antes, durante ou depois das atividades dos alunos) para desenvolver seu próprio senso artístico, para conhecer melhor as técnicas, para compartilhar com as crianças suas próprias produções;
·         Evitar os trabalhos padrões (como os de dias das mães ou Páscoa), onde todos fazem a mesma coisa e o produto final fica semelhante ou idêntico;
Tintas e formas
            Depois da música, a pintura, que é uma expressão tão natural para a criança! Mas nunca aquela pintura com meros lápis de cor, de formas paupérrimas desenhadas e mimeografadas e passadas para todas as crianças! Isso é anti-arte. È impedir o desenvolvimento da criatividade, impor modelos fraquíssimos, sem qualquer conteúdo estético e padronizar atividades artísticas. Ora a padronização é o que mais se opõe à arte, que acima de tudo é expressão original e livre.

REFERENCIA
INCONTRI, Dora, Vivência na Escola, Bragança Paulista, SP. Editora Comenius, 2005.



Um comentário :

  1. CONVITE

    Primeiro, eu vim ler o seu blogue.
    Agora, estou lhe convidando a visitar o meu, e se possivel seguirmos juntos por eles. O meu blogue, é muito simples. Mas, é leve e dinamico. Palpitamos sobre quase tudo, diversificamos as idéias. mas, o que vale mesmo, é a amizade que fizermos.
    Estarei grato, esperando VOCÊ, lá.
    Abraços do
    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir